15 maio 2010

Uma história nada convencional das noivas!


Entre os anos de 1600 e 1700, nos quartos não havia banheiros, nem escova de dentes, desodorantes ou papel higiênico. As excrescências humanas eram despejadas pelas janelas dos palácios reais.
Mesmo no inverno, as pessoas eram abanadas devido ao mal cheiro e mal hálito que exalavam de seus corpos, por não tomarem banho por causa do frio intenso.

O primeiro banho era tomado no mês de Maio.

Os banhos eram tomados numa única tina, enorme, cheia de água quente, e o chefe da família tinha o privilégio de tomar o primeiro banho na água limpa. Em seguida, vinha os outros homens da família por ordem de idade, depois as mulheres, também, por ordem de idade, as crianças e por fim, os bebês. Quando chegava a vez deles, a água já estava tão suja que era possível perdê-los lá dentro.

Alguns até usam a expressão “ Não jogue o bebê fora junto com a água do banho”.A maioria dos casamentos acontecia entre maio e junho porque o cheiro das pessoas ainda estava suportável. Mas, para esconder o mau cheiro, as noivas vinham segurando buquês com o objetivo de disfarçar o odor que exalava das partes íntimas.

Então esse é o Maio, “ O Mês das noivas” e a origem de carregarem os buquês.

2 comentários:

Alyson Xyzyx disse...

Interessante como um simbolo tão simples, envolve um conteúdo histórico tão curioso, não?

Gostei do que li.

Abraços!

Leo disse...

Pois é, muitas das coisas coisas que temos custumes hoje em dia, surgiram sem necessariamente um objetivo.

Pouco mais que as outras...: